Maria Fedida / Pobre Demais

    06.09.2009 | 17h34 | Por Ápyus Soluções Digitais
    Ale Combustíveis

    Ale Combustíveis

    O Ale Combustíveis ajudou a tornar este projeto realidade. Ajude você também os próximos projetos da Experiência Ápyus.

    Download

    • [download id="8"]

    Áudio

    [media id=15 width=350 height=20]

    Maria Fedida

    • Música:
      Marlos Ápyus
    • Letra:
      Marlos Ápyus

    Maria Benedita
    Uma maldita diva
    Uma bandida, uma mendiga
    Da esquina da catinga
    Uma fudida na vida
    E há quem diga que fedida
    era a roupa por lavar

    Maria foi com as outras
    Vender pedra na esquina pra político de merda
    Pra cabeça de latrina
    Dos “menino” e das “menina”
    da juventude perdida

    Maria Gasolina
    Pega fogo na avenida quando foge da polícia
    Quando “bêba” em malícia
    Vai que nem pedra roliça
    Se embolando na ladeira
    Até o perigo passar

    Maria da Cachaça
    Dá fumaça pra criança
    Esperança da desgraça
    Vai pra praça no domingo
    Fazer graça pra maluco
    Vai atrás de um troco novo
    Grantido o futuro
    Fudendo o dos outros

    Maria Fedida

    Pobre Demais

    • Música:
      Marlos Ápyus
    • Letra:
      Marlos Ápyus

    Nasceu um pobre negro
    Nasceu um pobre pobre
    Nasceu mais um pobre rapaz
    Nasceu para no medo viver
    Para no medo morrer
    Pra não viver jamais
    Nasceu para no morro crescer
    Para no morro correr
    Para no morro morar
    Nasceu para bater
    Nasceu para apanhar
    Pudera:
    nasceu pobre demais

    Nasceu um pobre pobre
    Nasceu um pobre podre
    Nasceu um podre satanás
    Nasceu para um segredo esconder
    Para um segredo guardar
    Para correr atrás
    Nasceu para no morro viver
    Para no morro morrer
    Para no morro parar
    Nasceu para sorrir
    Nasceu para sambar
    Mas pena:
    nasceu pobre demais

    E vai dizer que ama
    Dizer que quer amar
    Que nesta vida só busca um punhado de paz
    Mas vai sofrer na lama
    Na cama há de penar
    Vendo que todo sonho termina quando a noite se vai
    Porque ele é pobre demais


    Deixe um comentário